Início > Parasitologia > Estrongiloidíase > Ciclo Biológico

Ciclo Biológico

       O Strongyloides possui reprodução partogenética, e possui ciclo biológico duplo. Os ovos das fêmeas partogenéticas quando eclodem produzem três tipos de larvas: larvas triplóides (3n), igual a genitora que e a forma infectante, larvas diplóides (2n), que evoluem para as fêmeas de vida livre e por último as larvas haplóides (n), que evoluem para machos de vida livre. A forma infectante e denominada filarióide, enquanto a não infectante é denominada rabtitóide.

     Os vermes de vida livre vivem em solos arenosos com alta umidade e temperatura entre 25 e 30?C e com ausência de luz solar direta. Os vermes de vida livre se acasalam produzindo larvas rabtitóides (3n). As larvas do Strongyloides possuem um hormônio, a 20- hidroxiecdissona, que permite que a larva realize mudas, passando de rabtitóide para filarióide que é a forma infectante.

      As invasões das larvas realizam-se geralmente pela pele dos pés de uma pessoa que caminha descalça por locais comtaminados. Essas larvas secretam melanoproteases que auxiliam tanto na penetração quanto na migração através dos tecidos que acontece de forma lenta, cerca de 10 cm/hora.

      Muitas larva são penetrarem na pele morrem no local, as que conseguem prosseguir atingem a circulação venosa ou linfática, depois o coração e em seguida os pulmões. Nos pulmões, artravesam a membrana alveolar, onde sofre a ultima muda. Os movimentos do epitélio ciliado promove seu transporte passivo junto com as secreções brônquicas até a laringe onde são expelidas ou deglutidas.

      No intestino, nas porções duodenais e jejunais a larva sofre maturação passando a fêmeas partogenéticas. Os ovos do Strongyloide já é embrionado , e pode ser eliminado com as fezes ou eclodir dentro do intestino, o que ocorre normalmente.

      Quando eliminados, os ovos e larvas pdem originar larvas 3n, 2n, n. Quando origina larvas 3n infectantes o ciclo e chamado direto, quando origina 2n e n o ciclo se alterna entre fase parasitária e de vida livre o ciclo é dito como indireto.

      Existe outras formas de contaminação além da penetração ativa de larvas pela pele. A auto-infecção externa acontece quando idosos e crianças usam fraldas ou não praticam hábitos de higiene adequados retém fezes na região perianal contendo larvas rabtitóides. Essas larvas transformam-se em filarióides e penetram na pele da região. A auto-infecção interna acontece quando a pessoa com larvas presente no intestino e sofre de constipação intestinal as larvas transformam-se em filarióides dentro do intestino e penetra pela mucosa intestinal, completando assim como a auto-infecção externa um ciclo direto. A auto-infecção pode provocar aceleração do ciclo aumentando a quantidade de vermes no intestino provocando uma hiperinfecção, que que pode atingir diversos orgãos ocasionando a forma chamada desseminada que pode ser letal em indivíduos imunossuprimidos.

      Outra forma de infecção que é rara, porém já diagnosticada na África, é a transmição através do leitre materno. Também pode ocorrer uma forma sexual de transmição, quando a mucosa da genitália entra em contato com o conteúdo intestinal que contenha larvas infectantes. Outra forma bem comum de infecção é pela ingestão de água e alimentos contaminados com larvas.